Todas as dores se levantam.
É chegada a hora.
O senhor do destino anuncia: que marchem os vivos sobre os mortos que ficam.
Quebrar de ossos, trincarem de dentes, gemidos frementes sonorizam os passos dos viventes.
Olhares que mostram o medo,
medo que induz a fuga na busca do destino.
Caminho incerto do certo desconhecido.
Esta é a dor do ser perdido, sumido dos próprios sonhos.


Alda Andréia